sexta-feira, julho 08, 2005

Discurso apresentação dos candidatos a Presidentes de Junta

É com honra e orgulho que sou aqui hoje a voz de uma equipa, uma equipa com vontade de trabalhar por Famalicão, uma equipa de gente capaz e empreendedora, conhecedora das nossas gentes e dos seus anseios, uma equipa que quer ganhar.
Sabemos que qualquer projecto se constrói a partir das suas pedras basilares, e nunca é demais referir que o presidente de Junta é, e deverá continuar a ser, o pilar do municipalismo, a base estruturante de qualquer projecto autárquico vencedor.
A proximidade com as populações será, porventura, o factor decisivo para o nobre propósito de as servir condignamente, e orgulhosamente afirmo que não a tememos, desejamo-la, e tudo faremos para que, no honroso acto de servir a causa pública, tenhamos connosco aqueles a quem servimos, os Famalicenses.
Somos contemporâneos de uma era decisiva da história de Vila Nova de Famalicão, a História o confirmará, nós sabemo-lo. Saímos a custo de um longo demais período de marasmo e imobilismo, 19 longos anos de indecisão, comodismo e arrogância, o socialismo para todos trouxe muito pouco a muitos menos. Perdeu-se muito, neste longo e triste período. Portugal, acabado de aderir ao sonho europeu, via atendidas as suas necessidades estruturais, todo o País se mobilizou para se modernizar, os recursos que a Europa nos garantiu eram utilizados para crescermos, em todos os concelhos vizinhos se construíram variantes ao transito citadino, construíram-se redes eficazes de distribuição de água e saneamento público.
Em Famalicão, não. Nunca houve a preocupação de aproveitar seriamente o investimento nacional e europeu para modernizar o concelho, pagou por isto a Cidade, mas acima de tudo pagaram por isto as Freguesias. Cumpridos quase quatro anos de um mandato autárquico com o novo fôlego de quem sabia que muito tinha que ser feito, o Arq. Armindo Costa, a sua equipa de Vereadores e os corajosos Presidentes de Junta da Coligação PPD/PSD e CDS/PP, podemos dizer que se fez mais de estruturante para o Concelho em quatro anos, do que se fez em dezanove anos de gestão socialista.
Fez-se obra em TODAS as freguesias, construíram-se Escolas e Jardins-de-Infância, pavimentaram-se Estradas e Caminhos, duplicaram-se as verbas para as Freguesias, ampliaram-se as redes de Água e Saneamento Básico, construíram-se habitações sociais, renovou-se o espaço urbano, dinamizou-se a actividade cultural, foi criada a Polícia Municipal, acima de tudo, foram, finalmente, ouvidos os Famalicenses.
Em quatro anos, foi obra, mas os Famalicenses não nos perdoariam se não disséssemos
“Queremos mais, Famalicão não pode parar”
E dizemo-lo, convictos que, com esta equipa é possível fazer cumprir Famalicão.
Pretendemos dinamizar a participação de todos neste projecto, e, nesse sentido, pugnaremos por uma maior intervenção cívica dos Famalicenses, porque eles são o que verdadeiramente importa, eles são a razão do nosso empenho, Vila Nova de Famalicão é a nossa causa.